13 de novembro de 2012

REFLEXÃO - LIMPOS DE CORAÇÃO





“Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus (Mt 5.8). A transformação do caráter de uma pessoa é a maior prova do poder do Evangelho, uma inequívoca demonstração da regeneração efetuada pelo Espírito Santo. O brotar das virtudes divinas em nosso viver é o objetivo precípuo da salvação, gerando uma nova conduta diante de Deus e dos homens (At 2.47).
A expressão utilizada por Jesus ao proferir esta bem-aventurança, aludeà necessidade do cristão em manter uma vida de pureza, distinguida pela manifestação de sentimentos nobres, bons pensamentos e intenções dignas de louvor (Fl 4.7). Esta realidade espiritual pode ser comparada como uma vinha limpa pela poda e preparada para gerar frutos. É pela atuação do Espírito Santo que Deus limpa nosso coração da maldade inerente à natureza humana (Mt 15.19),fazendo germinar em nosso interior sementes de “bondade, justiça e verdade” (Ef 5.9).
Neste mundo caracterizado pela maldade, pela falsidade entre os homens, pontuado por deslealdades e traições, os olhos do Altíssimo estão voltados para os que vivem em sinceridade, àqueles que em seu íntimo meditam nos conselhos e princípios da Bíblia Sagrada, e vivem com um coração puro diante do Senhor (Sl 73.1). A estes, está reservada a promessa de que, um dia, estarão para sempre com o seu Deus (Sl 24.2,4).
Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida(I Tm 1.5).
Sempre que tratamos sobre a possibilidade de ver Deus a primeiro coisa que nos vêm a mente, pelo menos o que vem a minha mente, é a morte. Criamos a idéia de que somente veremos a Deus quando morrermos. Mas afinal, onde veremos Deus?
Tudo bem, em primeiro lugar reflitamos sobre o fato de que haveremos de ver Deus após a morte. E para isso necessitaremos ser purificados. A respeito deste assunto já dizia São Paulo: “Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção” (I Cor.15:50).

Paulo foi enfático: não há como vermos Deus nesta condição carnal em que vivemos hoje.Necessitamos ser transformados segundo a imagem de Cristo. Em outras palavras, precisamos ser cristificados. E por mais que sejamos cristificados nesta vida, sem dúvida, sairemos dela com várias áreas por cristificar. Tais áreas, segundo o apóstolo Paulo, não poderão herdar o Reino de Deus. Daí a necessidade de sermos julgados após a morte e sermos limpos de toda sujeira que não havemos nos desvencilhado durante nosso tempo terreno.

Para compreendermos este julgamento precisamos entender que tudo o que fazemos reflete o que somos. Portanto, ainda que o juízo seja segundo o que fazemos, referir-se-á a quem somos. O apóstolo Paulo diz que “qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará” (I Cor.3:13). Perceba que o fogo (juízo de Deus) não provará a obra de cada um, mas sim o próprio sujeito que a pratica. Ele disse: “o provará”, e não “a provará”. O artigo definido masculino (o) indica que o sujeito será provado, e não a obra. Isso mostra que as obras servirão apenas por medida do que somos, para que, pelo que somos, sejamos julgados. Isso porque as obras são o espelho fiel de quem somos.

O mesmo conceito de purificação é transmitido por Cristo usando o corpo biológico como analogia. Assim disse Jesus: “Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno” (Mateus 5:29).

Enquanto Paulo trata da purificação sob a ótica da análise das obras, Cristo a trata sob o ponto de vista de um corpo humano. Tanto as obras quanto o corpo que as pratica figuram nossa alma e refletem o que somos. Enquanto Paulo aponta para um processo de purificação pós morte, Cristo mostra a necessidade de se purificar em vida. Analisando os dois textos, entendemos que a purificação não é um trabalho que terá seu início após o fim de nossa carreira terrena. Na verdade seu início deve dar-se desde já e só será concretizado no outro lado da eternidade. Precisamos amputar de nossas vidas toda maldade que pudermos eliminar já. O objetivo desta purificação é vermos Deus já em vida.

Com isso voltamos à pergunta: Onde veremos Deus?

Já vimos que o veremos na eternidade. Mas precisamos também, e principalmente, vê-lo em vida, no próximo.

A impureza nos impossibilita de vermos Deus no próximo porque nos faz ver no outro a sujeira de nossos próprios olhos. Por isso“Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas” (Tiago 1:15).

Para o sujeito cristificado é possível ver Deus no andarilho, no miserável, no pobre, no cego, no enfermo, no presidiário e todos os demais pecadores e excluídos com quem Cristo andou e se identificou. Para o impuro isso é impossível, por que sua mente está impura e seus olhos espirituais enxergam todo mundo e o mundo todo com a mesma sujeira com que ele próprio está sujo.

A todo homem e mulher que deseja ver a Deus, dá-se a necessidade de purificar suas mentes pela palavra de Cristo, para que lhe seja possível ter uma visão límpida e real do mundo, sem deixar de ver Cristo no próximo, nem se deixar iludir pelas aparências de quem tem Cristo só dos lábios para fora.
Pr. Ailton José Alves e . Revdo Julio Zamparetti Fernandes

Nenhum comentário: